top of page
  • Foto do escritorAgroEffective

Especialista reforça falta de benefícios em azeites importados que se vendem como extravirgens


Três temas foram debatidos na tarde de palestras do segundo dia do Olivas no Cais, nesta sexta-feira, 27 de outubro, no Cais Embarcadero, em Porto Alegre. Junto à feira com 31 expositores de azeites de oliva gaúchos, promovida pelo Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva) e Cais Embarcadero, os palestrantes falaram sobre assuntos como cozinha autoral, diferença do azeite extravirgem com o azeite de mercado e o novo cenário do Pampa gaúcho.


A sommelier de azeites Maria Beatriz Dal Pont falou em concorrida palestra sobre o tema do azeite vendido como extravirgem e que não é. Lembrou dos números que mais de 80% dos azeites importados comercializados no país nos supermercados não condizem com o que diz o rótulo, revelando-se uma fraude. "Nós temos dois tipos de produtos. O que nós achamos no mercado é o que chamamos de azeite commodity. O que o caracteriza é, em primeiro lugar, a produção em larguíssima escala e é uma produção mundial. Em segundo lugar, são empresas que via de regra não possuem olivais. Então elas compram azeite já elaborado em diversas partes do mundo, recolhem este azeite ate a pana engarrafadora e fazem o engarrafamento, o blend, a mistura, o engarrafamento desse azeite e eles etiquetam com marcas de vários países ou marcas próprias que eles exportam para o mundo inteiro", salientou.


A especialista reforçou que o azeite commodity tem o foco na quantidade enquanto o azeite premium tem esta premissa da qualidade. "Essas duas coisas não andam juntas. Por mais que o discurso diga que dá para fazer qualidade com grande quantidade, neste caso não é válido justamente porque os azeites são coletados em vários países do mundo, transportados e depois embalados. Então são dois mundos à parte. Sensorialmente não existe parâmetro, porque com este tipo de processo muita coisa se perde. Então não é difícil encontrarmos azeites já cheios de defeito, completamente passados em uma garrafa com rótulo de extravirgem, ressaltou.


Para Maria Beatriz, a questão de que o preço do azeite de mercado é mais acessível e convidativo não procede. "Na minha opinião não é porque você está comprando um produto vendido como extravirgem e que você vai ter sorte se pegar o extravirgem lá dentro. É caríssimo e não tem custo benefício nenhum. Ao passo em que o extravirgem você está comprando não só um condimento, mas um produto que tem uma funcionalidade para a saúde excepcional", pontuou.


Seguindo na gastronomia, o chef Arthur Lazarotto falou sobre cozinha autoral. Para o especialista, este tipo de cultura valoriza o produto local. "Com o desenvolvimento da indústria de azeites aqui no Estado é uma excelente oportunidade para a gente levar isso para as cozinhas autorais, as cozinhas mais desenvolvidas no sentido gastronômico. Temos chefs muito famosos que estão ganhando prêmios Brasil afora, que têm experiência no exterior e todos eles têm essa cozinha de ingrediente, de valorizar o pequeno produtor, valorizar o que é nosso, valorizar o terroir, aquilo que a terra nos serve de sabor", observou.


Lazarotto frisou ainda a oportunidade da olivicultura se desenvolver na gastronomia. "Uma oportunidade até para a indústria de olivas trabalhar junto e desenvolver. Eu acredito que o chef de cozinha e os donos de restaurantes, toda essa indústria de alimentos e bebidas, eles são o grande porta voz de todos os produtores de alimentos. Os produtores produzem, o chef prepara e entrega para o cliente. A forma com ele entrega para o cliente, a narrativa que ele entrega para o cliente, ele tem uma oportunidade única de educar o cliente", explicou.


O desenvolvimento do Pampa também foi tema de palestra, com o consultor Werner Santos. O especialista abordou o crescimento dos grãos na Metade Sul como propulsor do desenvolvimento local. "A nossa primeira ação foi um acordo, protocolo de intenções com a Embrapa Clima Temperado e começamos a aprender sobre produção de soja que parecia naquele momento uma coisa muito difícil de entender em função de ser uma área muito alagada, o que a gente chama Terras Baixas e, na verdade, foi uma experiência muito interessante", lembrou.


Santos afirmou que a partir dessa experiência se começou a produzir soja e milho e, em um segundo momento chegou o trigo. E nesse consórcio a olivicultura também chegou para ficar e desenvolver a região. "Vemos oportunidades hoje tanto na área de grãos como hoje a gente está vendo o desenvolvimento das oliveiras, das uvas e nozes. É um trio que na nossa visão deve mudar ao longo dos próximos anos a economia da Metade Sul. Temos que levar em consideração também que estamos produzindo hoje nesta Metade Sul um azeite de oliva de altíssima qualidade. À medida que o brasileiro começar a entender isso e cada vez mais utilizar esse azeite, vai melhorar muito a economia", conclui.

Comentários


bottom of page