top of page
  • Foto do escritorAgroEffective

IBPecan recebe relatório de estudo sobre pecanicultura realizado pela Embrapa


Na manhã desta quinta-feira, 31 de agosto, o Instituto Brasileiro de Pecanicultura (IBPecan) realizou encontro com a Embrapa para tratar da agenda Pecan 2030. Na ocasião, o diretor de pesquisa da Embrapa, Clênio Pilon, entregou o relatório de uma pesquisa realizada no estado com produtores de noz pecan. Entre os dados, destacou-se a ausência de irrigação em cerca de 90% das propriedades pesquisadas.


O presidente do IBPecan, Eduardo Basso, disse que o fundamento para pecan no mercado internacional é qualidade e que para fazer isso a irrigação é muito importante. “O que esse trabalho da Embrapa nos mostra é a importância de nós, efetivamente, proporcionarmos linhas de financiamento, oportunidades junto com os prefeitos, vereadores, com o governador, para se conseguir fazer irrigações. É vital”, afirmou. Basso destacou que o estado possui quase 1.500 propriedades com pomares de noz-pecã e que apenas 6% deles são irrigados.


Outro ponto de destaque do relatório foi o quesito produtividade. Sobre isso, Eduardo Basso ressaltou a necessidade do produtor encontrar seu ponto de equilíbrio. “Na minha avaliação, o ponto de equilíbrio está em 1.200 kg por hectare ou alguma coisa como 12 kg por planta. E os produtores têm que aprender a exercitar esse tipo de conta. Então, é muito importante colher mais do que 12 kg por planta, e mais do que 1.200 kg por hectare. Não adianta dizer, ah, se colhe 9 toneladas por hectare, não é verdade”, observou..


O pesquisador da Embrapa, Carlos Martins, que apresentou os dados ao IBPecan disse que procuraram demonstrar qual é o retrato da pecanicultura no Brasil, especialmente na região Sul. “Quais são os desafios, quais são os gargalos, quais são os pontos em que nós precisamos trabalhar tanto quanto pesquisa, quanto extensão, quanto políticas públicas para que a pecanicultura alcance aquilo que nós desejamos lá em 2030 que é mais produtividade, mais qualidade de fruta, mais rentabilidade para o produtor, mais reconhecimento para a sociedade”, afirmou. Segundo ele, esta é uma primeira versão e que os dados serão atualizados no meio do projeto 2030 e no final, para avaliar a evolução da cultura da pecan.


A entrega do relatório foi feita de forma informal pelo diretor de Pesquisa da Embrapa, Clênio Pilon. O IBPecan também recebeu a visita do secretário estadual da Agricultura, Giovanni Feltes, em seu estande, pouco antes da reunião com os pesquisadores.

Comentários


bottom of page