• AgroEffective

Leilão da Bela Vista tem valorização recorde nas fêmeas Braford


O leilão da Estância Bela Vista, de Santana do Livramento (RS), realizado na noite desta terça-feira, 12 de outubro, no Sindicato Rural do município, consagrou um novo recorde na valorização de fêmeas da raça Braford. A venda de 50% de Hanna da Bela Vista fechou em R$ 170 mil, o que valorizou o exemplar em R$ 340 mil, o maior valor registrado na história em leilões.


O segundo e o terceiro lote mais valorizado da noite nas fêmeas também ultrapassam o recorde anterior. A venda de 50% de Guria da Bela Vista alcançou R$ 150 mil, valorizando o exemplar em R$ 300 mil. Já a comercialização de 50% da fêmea Kiara da Bela Vista fechou em R$ 140 mil, com valorização em R$ 280 mil.


Para o leiloeiro e diretor da Trajano Silva Remates, Marcelo Silva, que conduziu as cinco horas de vendas na noite, este foi o melhor leilão que aconteceu na temporada até agora. “Duvido que aconteça algum melhor do que este, pois o que aconteceu aqui foi uma coisa de outro mundo, nunca vista, de vender não só os machos mas as fêmeas pela quantidade e pelo preço que se vendeu”, destacou.


Segundo a titular da Bela Vista, Celina Maciel, o remate foi excelente, acima das expectativas esperadas. “Tivemos muitos compradores de fora do Rio Grande do Sul, em especial de Santa Catarina e Paraná, além de criadores de mais de dez municípios aqui do Estado. As fêmeas foram o grande destaque com três doadoras com valores expressivos para investidores novos que estão entrando na raça. Pela primeira vez colocamos um volume maior de fêmeas de elite e a receptividade foi enorme. É um grande reconhecimento ao nosso trabalho, com dedicação e feito com muito amor”, salientou.


Nas médias, os touros Braford fecharam em R$ 43 mil, enquanto as fêmeas ficaram em R$ 41,7 mil. Já nos touros Hereford a média foi de R$ 18 mil. Entre os touros os mais valorizados estão Golias da Bela Vista, com venda de 50% a R$ 110 mil, valorizando o exemplar em R$ 220 mil, e Power da Bela Vista, também com comercialização de 50% por R$ 106 mil e valorização no mercado em R$ 212 mil.


Foto: Paulo Renato Pinheiro/Divulgação