top of page
  • Foto do escritorAgroEffective

Pesquisa mostra que 96% dos pecuaristas são favoráveis ao Instituto Gaúcho da Carne




Uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Desenvolve Pecuária mostrou que cerca de 96% dos pecuaristas do Rio Grande do Sul aprovam a criação do Instituto Gaúcho da Carne. Destes, 91% são a favor do recolhimento de R$ 1,00 por cabeça abatida em contribuição à entidade. O levantamento, encabeçado pela engenheira agrônoma Elisia Rodrigues Corrêa, associada da entidade, ouviu cerca de 500 pecuaristas, entre sócios e não sócios do instituto.


O presidente do Desenvolve Pecuária, Luís Felipe Barros, salienta que, desde o início, a entidade percebe que o Rio Grande do Sul precisa trabalhar melhor estrategicamente a promoção de sua carne. "Nós, como instituição, começamos a perceber que Estados que tinham maior estratégia e organização trabalhavam a questão da cadeia da carne e a promoção da cadeia como um todo. O Rio Grande do Sul precisa trabalhar muito mais a promoção da sua carne, pois ela não é uma commodity, é uma carne de qualidade, com gado de qualidade e raças taurinas predominantes", observa.


Para Barros, falta alguém que faça essa promoção no Rio Grande do Sul, que pense carne do Rio Grande do Sul 24 horas por dia, visitando outros países para promover o produto gaúcho, além de destacar a carne também no mercado nacional. "E, com isso, fizemos uma provocação na Expointer, trazendo os institutos que fazem um belíssimo trabalho de promoção das suas carnes e organização da cadeia", destaca, lembrando as palestras do Instituto Mato Grossense da Carne (Imac) e Instituto Nacional da Carne do Uruguai (Inac) durante a Feira.


A partir disso, conforme o presidente do Desenvolve Pecuária, teve início a defesa da criação do Instituto Gaúcho da Carne para a promoção do produto neste primeiro momento. "Conseguimos o apoio da Federasul e de inúmeros pecuaristas, e fizemos uma pesquisa. E esta pesquisa mostra que apenas 2% dos associados são contra, quando fizemos essa pesquisa em outros grupos tivemos 3,28% de respostas negativas. Isso demonstra uma percepção de que o gaúcho sabe que a criação do instituto vai ajudar na promoção da carne, vai ajudar a nos tirar desse mercado de commodity, vai trazer valor agregado ao produto e nos ajudar a acessar mercados inatingíveis hoje em dia", complementa.

Comments


bottom of page