top of page
  • Foto do escritorAgroEffective

Rebanhos devem manter ganho de peso pós-desmama para puberdade e abate precoces


Dentro do sistema pecuário, o outono é uma época do ano de extrema importância, pois é quando se realiza a desmama definitiva dos terneiros, na maioria dos sistemas de produção. Apesar da diferença entre técnicas, em geral, esta separação entre cria e mãe ocorre quando os terneiros têm entre os seis e os oito meses de idade, dependendo do mês de nascimento. Como a produtividade do bovino está diretamente ligada aos fatores genéticos, ambientais e ao manejo oferecido, é preciso tomar alguns cuidados elementares para que os terneiros não percam capacidade de ganho de peso depois de se tornarem autônomos em sua alimentação, avançando à puberdade ou ao peso de abate, conforme o objetivo de produção.


O médico veterinário e diretor da Conexão Delta G, Octaviano Pereira Neto, lembra que, quando a desmama se aproxima, a contribuição da dieta láctea, oferecida pela mãe, já representa apenas 20% a 30% do total da alimentação de sua cria. O restante é oriundo de outras fontes de dietas, seja de pastejo ou mesmo de alguma forma de suplementação. Ele também destaca que a época de desmama pode iniciar entre os meses de março e maio, dependendo da data de nascimento e do sistema de criação desejado. "O principal objetivo é fazer com que a vaca, ao entrar no período inverno, tenha plena condição de alcançar ganhos de peso que favoreçam o desenvolvimento fetal e acúmulo de reservas corporais para o próximo parto, na primavera que se segue", comenta Pereira.


O veterinário ensina que a desmama geralmente é feita dentro do curral, onde se separa mãe e filho, com a cria sendo presa por um período de dez a 15 dias. Existe uma gama de técnicas, as quais permitem a proximidade da mãe e filho recém desmamado, ou seja, desmama lado a lado, ou o total afastamento de ambos, para que se rompa o vínculo maternal de uma vez. Neste período pós desmama, o terneiro tem acesso à alimentação, seja feno ou ração, para que se adapte rapidamente a esta nova etapa da vida. "É importante observar que quando estes terneiros chegam a este período de desmama, eles devem ter pelo menos 150 quilos ou mais. Durante a amamentação, a habilidade materna, as condições ambientais, com oferta de forragem e chuvas, e o status sanitário do terneiros, afetam diretamente o peso que esses terão à época da desmama. Cada produtor deve eleger os sistemas de desmama mais alinhado com seu sistema de produção, os quais variam quanto ao nível de investimento, especialmente em termos de aporte nutricional. O uso do creep feeding, que é o sistema de alimentação que privilegia o terneiro durante a lactação, contribui no incremento de peso dos terneiros, uma aceleração no desenvolvimento dos compartimentos ruminais e favorece na adaptação à desmama, uma vez que os terneiros aprendem a comer e mais rapidamente se alimentam pós desmama", alerta o veterinário.


O especialista lembra que para chegar à fase de desmama de forma adequada, é preciso uma série de cuidados que devem iniciar no período anterior ao parto da vaca. Depois, ao nascer, é preciso ter condições sanitárias para que este terneiro tenha integridade intestinal e capacidade de absorção de nutrientes efetiva para o ganho de peso almejado. Um verão seco, dificuldades nutricionais ou até problemas sanitários, como infecção bacteriana, processo de diarreia neonatal ou surtos de coccidiose, podem levar à uma capacidade de ganho afetada na fase de cria, refletindo-se inclusive no período de recria.


Octaviano Pereira lembra que, em se tratando de rebanhos comerciais, a desmama muitas vezes já é o período em que é feita a venda dos terneiros, em sistemas especializados em cria bovina. "Quem trabalha com ciclo completo, ou no caso da Conexão, onde a gente tem um programa de melhoramento genético muito consistente, os animais são mantidos em grupos de manejo, que ofereçam as mesmas condições nutricionais e de ambiente, sendo avaliados desde o nascimento, passando pela desmama, indo até o sobreano, visando à seleção de indivíduos superiores, que serão as futuras matrizes e reprodutores, para nossos rebanhos e de nossos clientes", explica. As avaliações feitas no nascimento, na desmama e no sobreano, buscam identificar os animais de maior mérito genético, que expressem os parâmetros desejados para maior produtividade dos rebanhos bovinos.

Mudanças climáticas, como as que se projetam, com o fim do período do El Niño e a entrada do fenômeno La Niña, Octaviano Pereira ressalta que é preciso levar em consideração que há uma expectativa de que este inverno seja mais seco. "Temos que pensar muito bem nas condições que vamos oferecer para estes terneiros pós-desmama, principalmente com relação às pastagens ou campos nativos melhorados. Animais mais adaptados e que tenham condições de enfrentar os desafios nutricionais e sanitários, como por exemplo o carrapato, são alguns dos critérios de seleção que vêm ao encontro do trabalho da Conexão. Produzimos genética para produção, e o desmame é o início de uma jornada estratégica para a produção de carne e desencadeamento da puberdade, fases fundamentais de sistemas de produção sustentáveis”, alerta o técnico.

Comments


bottom of page