• AgroEffective

Maior parte dos produtores ainda desconhece acordo sobre taxa do frio


A partir de março do ano que vem, conforme acordo celebrado entre pecuaristas e indústria frigorífica, será extinto o desconto da taxa do frio para a venda de carcaças para os frigoríficos. Depois de anos de discussão, finalmente se chegou a um consenso sobre esta cobrança. Entretanto, os produtores podem vender sua produção pela modalidade da carcaça quente, mas a grande maioria ainda não tem essa informação. O tema foi discutido na terceira edição do Prosa de Pecuária, realizado na noite desta terça-feira, 17 de agosto, pelo Instituto Desenvolve Pecuária.


O painelista foi o médico veterinário Rafael Moraes Renner, da Doble Erre Assessoria & RMR Consultoria. Ele explicou que se o produtor lutou por anos por essa retirada da taxa do frio, é momento de fazer a opção pela venda da carcaça quente, mas ainda muitos desconhecem esta possibilidade. “De cada 10 abates, apenas um procura negociar pela carcaça quente. Muitos seguem na carcaça fria, muito por desinformação, que nem sabiam da questão do desconto da taxa do frio”, ressalta, acrescentando ainda que isso ocorre, por vezes, pela própria falta de informação do frigorífico.


Atualmente, segundo Renner, os frigoríficos estão trabalhando com valores de compensação para não perder o desconto até o mês de março do ano que vem, já que está em vigor desde este mês de agosto uma transição de modelo. O especialista exemplificou que em uma comercialização no valor de R$22,00 com a taxa de frio, uma carcaça de 250 quilos perderá 2%, ficando com 245 quilos chegando ao valor final de R$ 5.390,00. Está mesma carcaça comercializada no peso quente não terá o desconto dos 2% no seu peso e sim no valor pago, portanto o valor pago em vez de R$22,00 será de R$21,56, sendo os R$22,00 menos os 2%, e o valor final desta carcaça será os mesmos R$ 5.390,00 da carcaça fria. “Por todo o empenho que o produtor rural teve, o ideal é optar pela carcaça quente e deixar a carcaça fria de vez”, opina.


Outro problema enfrentado, conforme o especialista, é a definição de carcaça. Renner explica que antigamente não existiam normas e cada frigorífico apresentava a sua, mas a Instrução Normativa de 1988 apresentou a definição de carcaça, mas atualmente as indústrias voltaram a ter suas próprias avaliações. “Houve melhoramento em genética, de conformação, com nutrição e alimentação, consigo acabar animais melhores e mais jovens do que há 20 anos e essa conta não bate. Em 1994 tinham animais com 60% de rendimento e hoje ele é menor?, questiona.


O vice-presidente do Instituto Desenvolve Pecuária, Paulo Ebbesen, ressaltou que este foi um dos assuntos mais pedidos pelos associados para trazer para debate. “Se ilustrou as dificuldades que os produtores estão enfrentando com o frio, balança e toalete e isto temos que colocar na mesa para tratarmos com mais vigor e mais insistência pois os valores são muito elevados”, afirmou.