• AgroEffective

Projeto busca reduzir marca de fogo de vacina da brucelose em bovinos


A redução da marca a fogo que identifica a vacina da brucelose em bovinos, um projeto que está sendo desenvolvido em fazendas do Centro do país, foi tema do primeiro evento online realizado pelo Instituto Desenvolve Pecuária. A palestra “Uma nova marca para a pecuária brasileira - Painel sobre Brucelose” ocorreu nesta terça-feira, 22 de junho, no canal do YouTube da entidade. O palestrante foi o professor adjunto do Departamento de Zootecnia da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Universidade Estadual Paulista (Unesp), mestre em Zootecnia e doutor em Psicobiologia, Mateus Paranhos da Costa.


O presidente do Desenvolve Pecuária, Luis Felipe Barros, abriu a live afirmando que o objetivo em trazer este tema foi o de formar uma posição horizontal sobre este projeto dentro do grupo de integrantes da entidade. Em sua fala inicial, o professor Paranhos da Costa informou que o projeto começou há cinco anos e é uma iniciativa da empresa BE Animal, do Grupo de pesquisa ETCO, da Unesp, e da Agropecuária Orvalho das Flores. Disse que o país e, em particular, a cadeia produtiva da pecuária de corte, se colocam em uma situação de alto risco para sofrer críticas. “Portanto, é importante olhar esta questão com seriedade e, ao mesmo tempo, desenvolver estratégias para minimizar as críticas a vários aspectos da nossa forma de criação e manejo dos animais”, salientou.


Conforme Paranhos da Costa, a marca a fogo afeta negativamente o bem-estar dos animais, assim como tem um impacto direto na cadeia de valor da pecuária brasileira, “mensurado atualmente quando a marca é colocada em áreas do corpo do animal de alto valor ou através da publicidade negativa junto ao consumidor”. Informou que existem tecnologias viáveis e eficientes que podem substituir esta forma de marcar e trazem benefícios para quem trabalha no campo e para os animais. “Sugerimos em 2020 ao Ministério da Agricultura a realização de uma pequena tatuagem para demonstrar a vacinação, mas ainda não obtivemos resposta”, ressaltou.


Segundo o professor, o projeto para reduzir este tipo de marcação foi implementado na prática em 2016 em uma fazenda de cria, com cerca de 2 mil vacas. No ano passado, ocorreu o lançamento da campanha de uma nova marca para a pecuária brasileira focando na redução da marca a fogo. No início de 2021, de acordo com Costa, iniciaram-se as atividades de campo em quatro fazendas localizadas nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo. “Devido à repercussão nas mídias sociais, está ocorrendo a adesão de outros produtores, inclusive responsáveis pelos maiores confinamentos do Brasil”, observou, relatando que além de não estarem mais marcando os animais, também estão desenvolvendo um trabalho de orientação dos seus fornecedores para a redução das marcas.


Paranhos da Costa disse que a fundamentação técnica do projeto de redução da marca a fogo está estruturada no modelo dos cinco domínios do bem-estar animal, proposto por pesquisadores da Nova Zelândia, que são: nutrição, ambiente, saúde, comportamento e estado mental que implica em experiências positivas ou negativas. “Estes domínios, de forma integrada, vão definir o status do bem-estar do animal”, observou, colocando que, em síntese, o projeto é uma ação que visa alcançar uma produção pecuária sustentável, envolvendo a preservação do ambiente natural, a manutenção de comunidades saudáveis e também a vitalidade econômica do negócio. “A nossa responsabilidade hoje é zelar pelo futuro da pecuária brasileira”, concluiu.


Também estiveram presentes na live o vice-presidente do Instituto Desenvolve Pecuária e presidente da Comissão de Eventos, Paulo Costa Ebbesen, e o coordenador da Comissão de Imprensa, Mídias Sociais e Visibilidade, Camillo Borges.